Enable javascript in your browser for better experience. Need to know to enable it? Go here.

Na Thoughtworks, acreditamos que a ação climática deve ser holística, abordando nossa própria pegada de carbono e trabalhando para apoiar mudanças sistêmicas mais amplas. Acreditamos também que qualquer ação sobre o clima deve abranger uma lente de equidade e priorizar as comunidades mais impactadas pela extração de recursos e mais vulneráveis às mudanças climáticas.

"Embora as compensações tenham valor e a remoção de carbono seja cada vez mais uma opção, elas não lidam com a urgência das pessoas mais vulneráveis serem afetadas pelas mudanças climáticas. Nossa estratégia de sustentabilidade vai além da descarbonização, para explicitar as formas pelas quais queremos nos comprometer com os movimentos sociais. Vemos a tecnologia e o clima interligados, seja na pegada ambiental do software ou na forma como as ferramentas tecnológicas estão sendo usadas para criar soluções e perpetuar os danos ambientais.”
 
Chad Wathington
Chief Strategy Officer, Thoughtworks

Acreditamos que a ação climática deve ir além das tentativas de mudar o comportamento de indivíduos ou empresas, para abordar as desigualdades que sustentam nossos modelos econômicos dominantes. Para que mudanças significativas aconteçam, é crucial que as partes interessadas de todos os cantos da sociedade se reúnam para abordar essas questões com urgência.

 

Também acreditamos que reunir diversas perspectivas é uma parte crítica da abordagem das mudanças climáticas. Esses grupos precisam ser verdadeiramente inclusivos e de mente aberta para semear mudanças em todos os cantos – isso significa trazer vozes de governos e empresas envolvidas no processo de extração de recursos naturais. A tarefa diante de nós é monumental, mas acreditamos firmemente que a tecnologia pode permitir novos modelos e novos relacionamentos que estabelecem as bases para ações contínuas e são mais sustentáveis em todos os sentidos da palavra.

 

Para atender às nossas ambições de descarbonização, nos comprometemos a atingir as metas de curto prazo estabelecidas pela Science-Based Targets Initiative (SBTi), referência para as melhores práticas na redução de emissões de gases de efeito estufa. Definimos metas aspiracionais que são construídas em quatro princípios: autenticidade, ousadia, inclusão e agilidade.

 

 

Princípios para nossos compromissos climáticos

A series of colored bars showing our four sustainability principles: be authentic, be bold, be inclusive, be agile A series of colored bars showing our four sustainability principles: be authentic, be bold, be inclusive, be agile

 

Nossas metas – atualmente sendo verificadas pela SBTi – são migrar para 100% de energia renovável em nossos escritórios, reduzir nossas emissões absolutas de gases de efeito estufa Escopo 1 e 2 em 50% e nossas emissões de gases de efeito estufa Escopo 3 em 85% por quadro de funcionários, tudo até 2030 de um ano-base 2019. Mais detalhes e definições descritos abaixo.

 

Além de nossa própria jornada de descarbonização, estamos desenvolvendo soluções que permitem que nossos clientes e parceiros atinjam suas ambições de sustentabilidade, por exemplo, nossa ferramenta gratuita e de código aberto, Cloud Carbon Footprint. Autênticos ao nosso foco de longo prazo em melhorar o ecossistema de tecnologia para todas as pessoas, estamos ajudando as equipes a avaliar e mitigar os impactos ambientais da digitalização.

 

Green Software Foundation: um novo marco para a tecnologia sustentável 

 

À medida que o escopo do que é possível com o software se expande exponencialmente, o mesmo acontece com a intensidade de energia do software. O poder de computação bruto necessário para treinar redes neurais ou alimentar inovações como blockchain será um impulsionador significativo das emissões lideradas pelo setor de tecnologia que podem representar até 14% da pegada global de carbono até 2040, contra menos de 2% em 2007 [1 ].

 

Abordagens mais sustentáveis para a construção de software são urgentemente necessárias. Mas estes, por sua vez, exigem novos conhecimentos, novas práticas recomendadas a serem seguidas e padrões que medem o desempenho em termos de ambiente e eficiência.

Cofundamos a Green Software Foundation (GSF) ao lado de parceiras como Microsoft e Linux Foundation, com o objetivo de abordar essas lacunas e garantir que a indústria de software contribua para esforços mais amplos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Em menos de um ano desde o lançamento, o GSF lançou a versão alfa de um Software Carbon Intensity Standard (SCI) que permite aos desenvolvedores pontuar e rastrear a intensidade de carbono de um aplicativo à medida que ele é construído, com a mesma facilidade e transparência com que avaliam os fatores como custo e segurança. É importante ressaltar que, ao omitir a neutralização de seus cálculos, o SCI reflete nossa crença de que a ênfase deve permanecer firme na redução de emissões. Embora significativamente mais desafiador, é a única base real para um progresso líquido-zero significativo.

Visual of the formula to calculate Software carbon intensity: energy consumed times carbon emitted by software, plus emissions by hardware, per functional unit Visual of the formula to calculate Software carbon intensity: energy consumed times carbon emitted by software, plus emissions by hardware, per functional unit

Métricas precisas e amplamente aceitas e maior colaboração entre quem cria e quem implementa software são vitais para atingir as metas de sustentabilidade. Por isso, o GSF recebe membros de todos os setores. A fundação continuará a desenvolver habilidades e padrões de software verde e pressionar por sua adoção nas políticas governamentais e corporativas por meio de programas de treinamento, educação e divulgação.

Cloud Carbon Footprint: Calculando os custos reais da infraestrutura digital  

 

Em 2021, refinamos os recursos e funcionalidades de nossa ferramenta Cloud Carbon Footprint (CCF), uma solução de código aberto que ajuda as organizações a avaliar, monitorar e reduzir as emissões de seus recursos de computação em nuvem. Com base em solicitações de clientes e da comunidade, trabalhamos para incorporar mais memória, rede, replicação e pontos de dados de emissões incorporados nas estimativas de carbono e permitimos a exibição de leituras de intensidade de carbono do data center das principais provedoras de nuvem.

 

Fundamentalmente, estamos incentivando adotantes a criar um painel de recomendações que aponte o caminho para otimizações direcionadas e calcule as economias de carbono e custos que podem resultar.

Computer displays showing the Cloud Carbon Footprint tools interface with graphs and purple boxes Computer displays showing the Cloud Carbon Footprint tools interface with graphs and purple boxes

Nossa parceria com a empresa de tecnologia de energia verde Holaluz, com sede na Espanha, é um exemplo do que o CCF torna possível. Como um dos principais defensores da mudança para energia renovável, a Holaluz também está intensamente focada em reduzir sua própria pegada ambiental e recorreu ao CCF para esclarecer as emissões de carbono e o consumo de energia de sua infraestrutura em nuvem.

 

Juntos, identificamos oportunidades claras para reduzir as emissões e o consumo de energia e reduzir os custos anuais de infraestrutura em 3%. Os insights da ferramenta agora são considerados “negócios como sempre” para as equipes de tecnologia da Holaluz, dando-lhes a confiança de que suas decisões e cargas de trabalho atendem a objetivos de sustentabilidade mais amplos. 



Descarbonização: um compromisso multidimensional de longo prazo  

 

A Thoughtworks está comprometida em abordar questões ambientais e relacionadas ao clima há quase três décadas, por meio de parcerias, campanhas e desenvolvimento de soluções de software. Nossa comunidade de tecnologistas se uniu ao longo dos anos para aumentar a conscientização sobre a ação climática e impulsionar programas de mudança em nossas operações de escritório em todo o mundo, como o Green Office Challenges.

 

Formalizamos esse compromisso e nos unimos a outras empresas líderes na adesão às melhores práticas estabelecidas pela Science-Based Targets Initiative (SBTi). O SBTi foi estabelecido em conjunto pelo Carbon Disclosure Project (CDP), o United Nations Global Compact, o World Resources Institute e o Worldwide Fund for Nature para desenvolver benchmarks para o caminho corporativo para o net-zero.

 

O SBTi não permite compensações de carbono baseadas em evasão como parte da abordagem de redução de emissões, concentrando-se na redução real e nas remoções de carbono assim que as metas de emissões forem alcançadas.

“A Thoughtworks está continuamente nos desafiando a reduzir nossas emissões antes dos nossos objetivos declarados para 2030 e, a longo prazo, investir em projetos de remoção de carbono que se alinhem à nossa visão de inclusão, solidariedade e foco naqueles mais impactados pela extração de recursos e mudanças climáticas.”
 
Amanda Ting
Sustainability Program Lead, Thoughtworks 

 

Calculamos nossas emissões em toda a estrutura do SBTi, incluindo Escopo 1 (emissões diretas), Escopo 2 (emissões indiretas associadas ao consumo de energia elétrica) e Escopo 3 (outras emissões indiretas, como aquelas relacionadas a transporte ou serviços terceirizados). Para qualquer organização do nosso tamanho e com nossa presença geográfica, avaliar as emissões em todos os nossos mercados e cadeia de suprimentos é um processo complexo.

 

Nossas metas de curto prazo estão agora com a SBTi para revisão e servirão como base para a redução de emissões abrangente e sustentada. Essas metas são: reduzir as emissões absolutas de gases de efeito estufa do Escopo 1 e 2 em 50%, as emissões de gases do efeito estufa do Escopo 3 em 85% por número de funcionários e aumentar o fornecimento anual de eletricidade renovável de 2% para 100%, tudo até 2030 a partir de um ano-base de 2019. 

 

 

Nossas metas para 2030 a partir de uma linha de base de 2019

Three blocks with arrows giving a visual representation of the targets explained in the previous paragraph. Three blocks with arrows giving a visual representation of the targets explained in the previous paragraph.

 

Enquanto essas metas aguardam a validação do SBTi, estamos implementando a governança e a infraestrutura para garantir que possam ser alcançadas e tomando medidas para avaliar e implementar proativamente as mudanças que provavelmente exigirão em nossas operações diárias. Por exemplo, nossa equipe na Espanha está explorando como seria uma abordagem de 360 graus para a responsabilidade pelo carbono.

 

“É vital que, em toda a urgência em torno do net-zero, não percamos de vista o fato de que nossos compromissos climáticos precisam ser formulados com cuidado e alinhados com nossas crenças centrais como organização. Temos que nos manter fiéis a nós mesmos, estabelecer metas que nos desafiem e estimulem a inovação, agir em solidariedade com aqueles que estão na linha de frente das mudanças climáticas e sempre perguntar o que podemos fazer melhor. Este ano, trabalharemos para incorporar essas crenças em um modelo de governança que orientará nosso impulso net-zero, garantindo que seja consistente, preciso e constantemente avaliado e otimizado.”
 
Guo Xiao
Chief Executive Officer, Thoughtworks 

 

Parcerias e plataformas de ação

 

Comunidades do Bem Viver 

 

Comunidades Agroecológicas do Bem Viver é um projeto de transformação que une famílias agricultoras com vizinhos urbanos como co-agricultores. Em conjunto, utilizando sistemas agroflorestais, ao mesmo tempo em que regeneram áreas degradadas, tornam o bioma autossustentável, transformando a área em uma floresta que também produz alimentos saudáveis com baixa pegada de carbono.

 

Em 2021 tivemos uma equipe dedicada para dar suporte à infraestrutura digital do programa, incluindo pagamentos, cadastro, relatórios e estruturação, e ampliação do site. Nosso trabalho em conjunto continua e está progredindo para revisar e aconselhar sobre a experiência de uso, retenção e dimensionamento; visamos potencializar o trabalho das Comunidades Agroecológicas do Bem Viver, a partir de uma infraestrutura virtual escalável e replicável.

 

Comunidades Agroecológicas do Bem Viver logo with a photograph of the crops and community gathering Comunidades Agroecológicas do Bem Viver logo with a photograph of the crops and community gathering
“O sistema tradicional que causou a crise climática está coexistindo com um sistema novo e emergente, o que significa que estamos inovando em um período cheio de contradições. Como uma empresa de tecnologia, podemos ajudar clientes durante esse processo de transição. Entendemos a complexidade e sabemos que a tecnologia pode permitir uma produção econômica mais eficiente e facilitar o crescimento das relações sociais. Estamos continuamente desenvolvendo esse conhecimento e adotando nosso papel na transição para um futuro mais sustentável.”
 
Lisa McNally
Head of Cleantech & Sustainability, Thoughtworks 

 

Explore os capítulos

Introdução: Sustentabilidade, solidariedade e serviços

Capítulo um: Tecnologia responsável e inovação

Capítulo dois: Além da diversidade

Capítulo três: Inclusão e justiça social

Capítulo quatro: Sustentabilidade e ação climática

Capítulo cinco: A saúde como um direito humano

Capítulo seis: Educação

Capítulo sete: Operando com integridade

Nossa abordagem de transformação social