Menu

As informações desta página não estão completamente disponíveis no seu idioma de escolha. Esperamos disponibiliza-las integralmente em outros idiomas em breve. Para ter acesso às informações no idioma de sua preferência, faça o download do PDF aqui.

Técnicas

Custo de execução como função de aptidão arquitetural

Nov 2019
Adote?

Automatizar a estimativa, rastreamento e projeção do custo de execução de uma infraestrutura de nuvem é necessário para as empresas de hoje. Os modelos de precificação sagazes dos fornecedores de nuvem, combinados com a proliferação dos parâmetros de precificação e a natureza dinâmica da arquitetura atual podem levar a um custo de execução surpreendentemente caro. Por exemplo, os preços de arquiteturas sem servidor baseadas em chamadas de API, soluções de streaming de eventos baseadas em tráfego ou clusters de processamento de dados baseados em trabalhos em execução, todos têm uma natureza dinâmica que muda com o tempo à medida que a arquitetura evolui. Quando nossos times gerenciam infraestruturas na nuvem, implementar custo de execução como função de aptidão arquitetural é uma das primeiras atividades. Isso significa que nossos times podem observar o custo de executar serviços em relação ao valor entregue. Quando observam divergências em relação ao que era esperado ou aceitável, discutem se é hora de evoluir a arquitetura. A observação e o cálculo do custo de execução são implementados como uma função automatizada.

Nov 2018
Experimente?

We still see teams who aren't tracking the cost of running their applications as closely as they should as their software architecture or usage evolves. This is particularly true when they're using serverless, which developers assume will provide lower costs since you're not paying for unused server cycles. However, the major cloud providers are pretty savvy at setting their pricing models, and heavily used serverless functions, although very useful for rapid iteration, can get expensive quickly when compared with dedicated cloud (or on-premise) servers. We advise teams to frame a system's run cost as architecture fitness function, which means: track the cost of running your services against the value delivered; when you see deviations from what was expected or acceptable, have a discussion about whether it's time to evolve your architecture.