Menu
Técnicas

Integração de front-end por meio de artefato

NOT ON THE CURRENT EDITION
This blip is not on the current edition of the radar. If it was on one of the last few editions it is likely that it is still relevant. If the blip is older it might no longer be relevant and our assessment might be different today. Unfortunately, we simply don't have the bandwidth to continuously review blips from previous editions of the radarUnderstand more
Nov 2019
Evite?

Quando times adotam o conceito de micro-frontends, eles têm um número de padrões ao seu dispor para integrar os micro-frontends individuais em uma aplicação. Como sempre, há antipadrões também. Um comum neste caso é a integração de front-end por meio de artefato. Para cada micro-frontend um artefato é construído, normalmente um pacote NPM, que é colocado num registro. Um passo depois, às vezes em uma pipeline de build diferente, então combina os pacotes individuais em um pacote final que contém todos os micro-frontends. De uma perspectiva puramente técnica, essa integração na hora do build resulta em uma aplicação funcionando. Contudo, integrar via artefato implica que, a cada mudança, o artefato todo precisar ser reconstruído, o que consome tempo e provavelmente terá um impacto negativo na experiência da pessoa desenvolvedora. Ainda pior, este estilo de integrar front-ends também introduz dependências diretas entre os micro-frontends no momento da compilação, causando, dessa forma, uma considerável sobrecarga de coordenação.