Menu

Conduzindo sua Carreira como Liderança Feminina na Tecnologia

Como os temas "mulheres em cargos de liderança" e "igualdade de gênero na indústria tecnológica" permanecem firmemente no centro das atenções, passei algum tempo refletindo sobre minha jornada pessoal, especialmente ingressando em papéis de liderança. Aqui está minha história, com algumas dicas para promover sua carreira em liderança técnica e algumas questões a serem consideradas para seu crescimento pessoal.

Antes de entrar para a ThoughtWorks há cinco anos, eu vinha trabalhando como desenvolvedora ágil e coach em diferentes setores, como funcionária permanente, consultora e prestadora de serviços. Fiquei desiludida em entregar software em empresas onde eu não tinha nenhuma influência real. Portanto, a ThoughtWorks pareceu um próximo passo sensato. A empresa não apenas entregava software, ela resolvia os problemas de clientes.

Durante minha experiência na ThoughtWorks, tenho trabalhado com uma variedade de equipes: desde equipes com algumas pessoas multidisciplinares trabalhando colaborativamente em análise, programação, testes e UX, a programas de trabalho de alta complexidade com 50 a 60 pessoas. Já me envolvi com transformação ágil e coaching em vários setores, desde o setor público até a alta moda, e liderei equipes em projetos com fluxos de trabalho complexos, quebrando arquiteturas monolíticas, organização de equipes, introduzindo e aperfeiçoando TDD e outras práticas de engenharia. Trabalhar em uma variedade de setores (com novas tecnologias, problemas de negócios únicos e pessoas novas) te ensina muito, e ao longo do tempo eu consegui algumas realizações, que gostaria de compartilhar com vocês:

Confie nos seus instintos

À medida que conquistar experiência, você vai desenvolver uma noção do que parece ser certo ou errado. No início da minha carreira, eu costumava suprimir isso (até certo ponto), especialmente para dar preferência a alguém com mais experiência, ou que falasse com autoridade. As mulheres são especialistas em fazer isso! Lembro-me de começar a trabalhar em um novo projeto, que estava em andamento há algumas semanas. A equipe me colocou a par da situação, trazendo muitas informações sobre o contexto de como eles chegaram até ali, e o que estavam tentando fazer. Mas por mais que eu tentasse, não conseguia ter claros quais eram os objetivos principais do projeto. Eu achei que o problema era que eu simplesmente não conseguia entendê-los, e esperava que eu conseguisse a tempo.

Depois de algumas semanas, eu tive que responder perguntas das partes interessadas sobre o objetivo do projeto, e como estávamos progredindo em direção a ele. Neste momento, eu percebi que nós realmente nunca tínhamos estabelecido nossos objetivos. Se eu tivesse falado mais cedo, teríamos sido salvos de uma conversa constrangedora. Agora, quando eu tenho a sensação de que algo não está como deveria estar, ou que deveríamos fazer algo diferente, eu exploro isso. E se no final das contas eu estiver errada, tudo bem: pelo menos eu sei disso! Portanto, confie em seus instintos e siga-os, ao mesmo tempo tomando precauções para se certificar de que eles estão certos.

Seja confiável

Se você disser que vai fazer alguma coisa, certifique-se de que você irá realmente fazer. Isso gera confiança, o que é essencial se você quiser ser considerada para diferentes oportunidades. Anos atrás, fui abordada por alguém que queria me apoiar a falar em público com mais frequência. Eu fui solicitada a fornecer várias informações, e recebi muitas ofertas para apresentar palestras. Eu me interessei pela ideia e aceitei, mas também fiquei nervosa e perdi prazos, devido à procrastinação. Eventualmente, ele parou de pedir que eu desse as palestras, e eu perdi todos os benefícios que entrar no circuito de conferências poderia ter trazido.

Além do meu trabalho com projetos, eu também tive a oportunidade de inspirar e educar futuras especialistas em tecnologia, lançando um curso de Introdução à Programação para meninas de 12 e 13 anos e me tornando instrutora na ThoughtWorks University na Índia - um curso intensivo de treinamento de cinco semanas para todas as pessoas júnior que contratamos. Isso tem ajudado a desenvolver minhas habilidades de coaching, ao mesmo tempo melhorando minha compreensão sobre entrega de software pelo mundo.

Navigating your Career as a Woman Leader in Tech
[#ParaPessoaCegaVer: seis mulheres posam para uma foto] 

Diga Sim a Oportunidades

Se surgir algo diferente do seu plano de longo prazo, experimente! Nunca se sabe - você pode gostar. Eu sempre me arrependi de ter perdido as oportunidades de falar em público que mencionei acima, então anos depois, quando a ThoughtWorks me pediu para falar em um painel para incentivar meninas a frequentarem escolas, eu agarrei a chance. Apesar de ter sido aterrorizante - falar em uma loja da Apple para um público grande, incluindo a imprensa - e tudo estava sendo filmado! Mas eu sobrevivi... e mais que isso, até gostei. No final dessa palestra fui convidada para falar em outros dois eventos, e para participar da iniciativa Little Miss Geek in-School: ensinar meninas de 13 anos de idade a programar, e mostrar que o estereótipo de nerd não é uma representação verdadeira da nossa indústria. Portanto, um "sim" abriu todo um novo caminho a ser explorado. Foi um desafio, e expandiu minha visão do mundo. Além disso, isso me deu a oportunidade de fazer a diferença para uma causa que me interessa muito - diversidade e inclusão na tecnologia.

Não Assuma Trabalho Demais

Eu não dominei essa dica completamente - mas continuo tentando! Se você assumir trabalho demais, vai diminuir sua eficiência, e pode se esgotar. Se eu começo a sentir que estou ficando atolada em trabalho, eu uso a Matriz Eisenhower para priorizar a minha carga de trabalho. Ter participado do programa para desenvolvimento de lideranças da ThoughtWorks também ajudou muito, especialmente com treinamento em coaching, influência e negociação de conflitos. Essa participação também me deu acesso a um apoio inestimável de colegas de trabalho, local e globalmente, e me ajudou a me sentir mais confiante, especialmente quando se trata de tentar novas experiências, técnicas de falha rápida, aprender e seguir em frente. E é daí que vem meu último conselho.

Não tenha Medo de Errar

Esta dica manifestou-se de algumas maneiras diferentes para mim. Eu estava trabalhando em uma apresentação para a gerência sênior recentemente, e passei dias revisando-a, tentando garantir que a minha mensagem estivesse perfeita. No final das contas, alguns dos meus pontos foram aceitos, e outros desafiados - da mesma forma que eles teriam sido se eu tivesse entregado a versão que concluí no primeiro dia. Teria sido melhor reformular algumas hipóteses, obter feedback inicial sobre elas e depois fazer adaptações à medida que o projeto se desenvolvesse, em vez de ter gastado tanto tempo fazendo retoques no material que eu já tinha. Portanto, trata-se de tomar uma decisão, e confiar que você pode lidar com as consequências.

Assuma Riscos e Experimente

Esta é a outra maneira que encontrei de abraçar o potencial de estar errada, o que é especialmente importante quando você está se desenvolvendo em uma função. Você vai precisar experimentar fazer algumas coisas pela primeira vez, e, às vezes, elas não irão dar certo. Quando eu estava em uma das minhas primeiras posições de liderança técnica, a crescente dívida técnica na base de código me deixou preocupada, então tomei a decisão de trabalhar até tarde durante vários dias, tentando consertar o código. Porém, como qualquer liderança técnica experiente irá dizer, isto não é uma boa ideia - a qualidade do código não pode ser propriedade de apenas uma pessoa. Teria sido melhor treinar a equipe para escrever o tipo de código que eu queria. O que acabou acontecendo foi que a qualidade começou a cair mais rápido, uma vez que as pessoas se sentiam distantes da responsabilidade de escrever um código limpo. Elas não conseguiam mais compreender o código, uma vez que eu ficava mudando tudo! Tudo isso foi relatado em uma retrospectiva, e foi quando eu resolvi adaptar meu comportamento. A questão é não considerar isso um fracasso, mas garantir que você tenha uma maneira de identificar problemas, falhar rapidamente e, mais importante, aceitar quando as coisas não estão funcionando e tomar medidas para melhorar, mesmo que isso signifique jogar fora um esforço prévio. Às vezes você vai errar, às vezes você vai falhar. Se isso não acontecer, você não está correndo riscos suficientes!

Eu estou trabalhando atualmente como diretora do escritório da ThoughtWorks em Londres e uso minha experiência profissional em serviços para apoiar outras pessoas que trabalham na ThoughtWorks com mais de uma dúzia de clientes em diferentes locais. Esse é um papel fundamental de liderança no Reino Unido e estou animada em continuar aprendendo e crescendo nesse papel e quaisquer outras oportunidades que aparecerem no futuro.