Menu
O imperativo comercial para modernizar sua área de tecnologia

Esta é a primeira de duas partes de uma série que analisa a modernização de aplicações. Você pode ler a segunda parte aqui. 


As lideranças executivas de TI estão ansiosas. 95% delas admite que suas empresas estão ficando para trás. Elas estão sendo ultrapassadas por um grupo de concorrentes de elite — aquelas que já transformaram suas operações de negócio que dependiam de TI em negócios digitais. Essas empresas transformadas são verdadeiras potências: 96% delas excederam as projeções de receita no ano passado e têm duas vezes mais chances de atingir metas de receita.


Essas empresas também desfrutam de outras vantagens: concluem mais projetos de TI dentro ou antes do prazo, e dentro ou abaixo do orçamento. Organizações digitais com operações DevOps altamente evoluídas também têm 24 vezes mais probabilidade de sucesso na automatização da segurança.

 

Como resultado, os 5% da elite transformada estão se afastando de sua concorrência, talvez permanentemente.


Neste artigo, vamos explorar as etapas e técnicas que permitem às empresas transformar e modernizar suas aplicações, qual é o resultado e quais são as implicações desse movimento.


A elite transformada não tem nenhum tipo de licença exclusiva ou acesso à tecnologia digital, comportamento de resposta ao mercado ou inteligência de cliente. Seus segredos não são branding ou marketing, mas inovações e características selecionadas que foram propositalmente identificadas e construídas. 


Todo mundo já ouviu falar da teoria das equipes de “duas pizzas” da Amazon, e essa é uma parte importante da estratégia de colaboração, mas o mais importante é a capacidade que essas equipes oferecem ao negócio: Jeff Bezos disse que o sucesso da Amazon é proporcional ao número de experimentos executados pelo negócio, a cada hora, todos os dias.


Parte do sucesso da Amazon vem do fato de não ser prejudicada por sistemas legados. Embora esse legado tenha permitido que outras empresas competissem até hoje, não vai ajudá-las no futuro: o patrimônio legado reduz os lucros, consome o orçamento operacional e sufoca sua capacidade de inovar rapidamente — o tempo do ciclo de inovação é medido em meses, se não anos. Além disso, impede a sua capacidade de transformação: na competição pelo talento, ninguém quer trabalhar para um dinossauro digital. 


A modernização de aplicações é fundamental para a capacidade de transformação, para entregar operações automatizadas e flexíveis, para a capacidade de implantar inovações na interação com clientes ou no gerenciamento da cadeia de suprimentos. E para o uso de dados que vai impulsionar o crescimento futuro. 


Veja onde a elite transformada se destaca. É na sua capacidade de aproveitar tecnologia inovadora e torná-la parte de seu tecido empresarial. Você pode ver isso acontecendo por toda parte. Empresas como a Ocado estão usando o aprendizado de máquina para melhorar o tratamento de e-mails recebidos e aumentar a satisfação de clientes. A fabricante de pneus Michelin criou uma oferta de serviço de transporte rodoviário com a implantação de sensores IoT em seus produtos.


Durante nosso trabalho com representantes da elite transformada, identificamos um conjunto comum de características que todos elas exibem. Essas características de negócios digitais são essenciais para criar novas receitas digitais, atrair e reter talentos, responder rapidamente às mudanças do mercado e expandir a capacidade de operar comercialmente em novos canais e mercados.


As características essenciais de negócios digitais da elite transformada são:

  1. Cliente no centro: capacidade de criar experiências significativas e duradouras para clientes em vários canais. 
  2. Orientação para resultados de negócios: investimento alinhado em torno de resultados de negócios bem definidos. Busca por novos fluxos de receita, produtos, serviços e modelos de negócios.
  3. Capacidade de resposta às mudanças de negócio: capacidade mudar de direção e responder no ritmo do mercado, adaptação às mudanças de negócios usando inovação contínua e respostas rápidas. Trabalho em blocos menores, com feedbacks e decisões mais rápidas.
  4. Cultura de teste e aprendizado: mentalidade de experimentação e mecanismos de execução sem atrito. Tomada de decisões baseada em conhecimento e em dados. Cultura de “teste e aprendizado” para aquisição de conhecimento antes de fazer grandes investimentos ao longo da jornada de transformação.
  5. Tecnologia como capacidade central: alinhamento da tecnologia como uma vantagem competitiva estratégica crucial. Compreensão do benefício que a tecnologia traz para a organização. Tecnologia presente na sala da diretoria.
  6. Uso de dados como parte da estratégia de negócio: tomada de decisão, produto e interações com clientes são impulsionados por dados. Dados na sala da diretoria; dados na base. Dados alimentando decisões em todos os níveis e em tempo real.

Figura 1: Processo de mudança em quatro etapas



1. Avalie

Avalie as necessidades, resultados e processos atuais de seus negócios e relacione-os à tecnologia e à arquitetura atuais que você possui. Identifique quais novos negócios você precisa ter e quais processos e jornadas devem ser implementados para construir as vantagens competitivas cruciais que você deseja. Identifique as necessidades e padrões de clientes em relação que vão orientar todas as decisões. Com isso, você define onde está e para onde deseja ir.


2. Mapeie

Mapeie a tecnologia necessária para transformar da fase atual para a fase-alvo desejada, para criar vantagens competitivas cruciais. Use gerenciamento de risco de software, métodos de avaliação e ferramentas para entender profundamente os riscos introduzidos ou afetados pelas decisões que estão sendo tomadas. Tome decisões conscientes para melhorar a resiliência, disponibilidade, segurança, acessibilidade e confiabilidade e desenvolva um perfil de risco vivo para garantir que os recursos estejam voltados para as coisas certas. Garanta que o negócio prospere dentro de seu mercado-alvo hoje e no futuro considerando sua base de clientes em expansão.


3. Construa

Use padrões técnicos específicos pertinentes à sua arquitetura legada. Abrace a mentalidade de plataforma e a arquitetura de ecossistema de API, microsserviços quando apropriado, e uma estratégia de arquitetura evolutiva para desenvolver sua arquitetura corporativa preparada para o futuro. Use aprendizados de feedback, conhecimento de entrega e testes de verificação para confirmar o desempenho em relação aos principais resultados e metas. Ajuste o perfil de risco para ajudar a priorizar o esforço de construção.


4. Analise

Analise o progresso no desenvolvimento e no amadurecimento de suas características essenciais de negócios digitais. Meça e determine se você está influenciando ou melhorando seu perfil de risco operacional, identifique os fatores de ruído característicos que contribuem para o risco e priorize continuamente os próximos riscos mais elevados para mitigação. Use seus KPIs para garantir que sua receita digital e outras metas de negócios digitais sejam atendidas.


Modernização de aplicativos no mundo real


Esse tipo de mudança conduzida por processo está ajudando as organizações a se prepararem para competir no mundo digital em ritmo acelerado de mudança de hoje. Por exemplo, a empresa de venda de bilhetes do Reino Unido, Trainline, é um excelente exemplo de como esse processo pode ser usado com grande sucesso. Ela estava com dificuldades para atender às demandas regulatórias e de clientes por causa dos altos custos e de uma plataforma legada que não era capaz de escalar com eficiência.


Com a abordagem ágil distribuída da ThoughtWorks, a Trainline foi capaz de modernizar e escalar sua plataforma, usando entrega contínua e automação em toda a organização. Como resultado de nossa parceria distribuída, a Trainline acelerou seu desenvolvimento para uma média de 10 lançamentos por dia. Seu tempo médio de lançamento de aplicações no mercado diminuiu de cinco meses para seis a doze semanas. A empresa implementou abordagens de teste automatizado que reduziram os tempos de teste para metade do tempo geral de desenvolvimento. Por último, seu programa de modernização de aplicações também gerou resultados financeiros, com um aumento de 80% na conversão de reservas.


A maior empresa de logística da China foi vítima de seu próprio sucesso. Sua frota cobre 65.000 vans em 250 cidades, em uma operação extremamente complexa. Ele poderia continuar a aumentar o tráfego e ainda aumentar a velocidade de envio? A resposta é sim. O primeiro passo foi a integração de 18 sistemas separados para uma base de clientes doméstica e internacional. O projeto permitiu que 130.000 profissionais na linha de frente tomassem decisões em tempo real e viu um aumento de 200% no crescimento do tráfego da web — acompanhado por um aumento na receita digital.


Conclusão


O argumento comercial para a modernização de aplicações é evidente — a modernização permite que empresas transformadas excedam suas metas de receita. Mas é importante perceber que a modernização pode ser uma tarefa difícil: todo mundo sabe que migrar para "a nuvem" é importante, mas como você deve escolher entre nuvens públicas, privadas e híbridas? Você sabe que os dados são importantes, mas você deve construir um pipeline de dados, um data lake ou apenas consertar sua data warehouse existente? A segurança e a confiança do público consumidor são críticas, mas um data center privado é realmente mais seguro do que a hospedagem em nuvem apoiada por uma provedora de nuvem global-3?


No próximo artigo desta série, exploraremos essas considerações técnicas em mais detalhes e destacaremos métodos para modernizar seu patrimônio legado e aumentar suas chances de sucesso.

Como podemos ajudar o seu negócio a crescer com mais rapidez?